Siso: tudo o que você precisa saber sobre o dente do juízo!

6 minutos para ler

Houve uma época em que o nascimento do dente de siso era algo “celebrado”, porque significava que a pessoa estava criando juízo e passando para a vida adulta, já que geralmente esse dente começa a aparecer por volta dos 18 anos.

Entretanto, muitas pessoas podem apresentar dores e sensibilidade, além de outros problemas mais sérios, que fazem com que a chegada do dente do siso não seja muito bem vista. Existem outras que sequer “criam juízo”, porque os dentes do siso nem aparecem.

Afinal, você sabe por que algumas pessoas não desenvolvem o dente do siso? E será que todo mundo precisa extraí-lo ou é possível conviver com esses dentes “extras” sem problemas? Se você também tem dúvidas em relação ao dente do siso, veja este guia recheado de informações que trouxemos para você.

Afinal, o que é o dente do siso?

Os dentes do siso (sim, são mais de um!) são os quartos molares e os últimos dentes de cada lado da arcada. Todavia, nem todas as pessoas terão os quatro dentes do siso, o que acaba dependendo de cada organismo.

Muito tempo atrás, há milênios, quando ainda éramos homens pré-históricos, os dentes do siso tinham uma função muito importante, ajudando na mastigação. Além disso, não se deve esquecer que naquela época não havia qualquer tipo de conhecimento sobre a higiene bucal. Inevitavelmente era comum que nossos antepassados perdessem muitos dos seus dentes devido às cáries e outros problemas. Assim, ter dentes “extras” e que nasciam depois de alguns anos era muito importante, tendo sido responsável por manter a sobrevivência da nossa espécie.

Contudo, a sociedade evoluiu e o homem também passou por mudanças significativas na sua forma de viver e de se alimentar. Com a melhoria dos hábitos de higiene, a maioria das pessoas hoje possui todos os dentes permanentes, o que faz com que não exista espaço suficiente na arcada para os dentes do siso. Aí é que começam alguns problemas.

Por outro lado, nem sempre os dentes do siso nascem certinhos como deveriam, às vezes eles estão mal posicionados e podem causar vários inconvenientes.

Porém, como dissemos, o dente do siso é um resquício da nossa vida primitiva. Como prega a teoria da evolução, com o passar das gerações é possível que cada vez menos pessoas venham a ter os dentes do siso. Muitas, hoje em dia, não “criam juízo” nunca, já que os dentes não aparecem e, em outras, apenas nascem os dentes de siso superiores ou os inferiores. Tudo isso está relacionado à nossa evolução e à adaptação da espécie, fazendo com que algumas pessoas nasçam sem o germe do dente e por isso ele acaba não se desenvolvendo.

Quais problemas o dente do siso pode trazer?

Os problemas vão depender muito de cada paciente, mas, em geral, a maior questão notada nos consultórios dentários é realmente a falta de espaço na arcada dentária para esses dentes extras.

Se, antes, era natural que os homens não tivessem muitos dentes na boca quando o tal “dente do juízo” chegava, hoje a situação é outra. Com a evolução da sociedade e os novos conhecimentos trazidos pela odontologia, sabe-se que nem sempre existe espaço livre para esses novos dentes, já que a nossa arcada não foi projetada para tê-los.

Assim, em muitos pacientes, é normal vermos o dente do siso aparecendo apenas parcialmente, mostrando-se recoberto pela gengiva, ou, então, ele nem consegue nascer, ficando retido dentro do tecido ósseo.

Em casos assim, são comuns problemas com infecção, já que resíduos de alimentos podem ficar acumulados na região onde o siso deveria nascer. Como esse local fica coberto pela gengiva, na maior parte das vezes a escovação não consegue ser eficiente. O resultado é mau hálito, cárie, infecção e, claro, muita dor.

O importante a salientar é que nem todas as pessoas precisam extrair o dente do siso, já que em alguns casos existe espaço suficiente na arcada para o seu nascimento. Também pode ser que o dente do siso não esteja mal posicionado e consiga aparecer sem problemas.

Para saber se você precisa ou não extrair o seu dente do siso, é imprescindível consultar um cirurgião dentista, que fará uma avaliação do seu caso e solicitará exames de imagem para entender melhor a sua necessidade.

Existem algumas situações em que a extração é altamente recomendada, como:

  • Quando o paciente faz uso de aparelho ortodôntico e precisa de espaço maior para o correto posicionamento dos dentes.
  • Quando o dente do siso não consegue nascer.
  • Quando o dente do siso está posicionado dentro do osso, sem possibilidade de nascer e muito próximo do dente vizinho.

Como acontece a extração do dente do siso e quais são os cuidados a tomar?

Existem muitos mitos sobre a extração do dente do siso e algumas pessoas têm medo da cirurgia. Saiba, entretanto, que não existem motivos para isso. A extração é feita por meio de uma microcirurgia com anestesia local. Em caso de paciente muito ansioso, é possível usar sedativos para controlar essa sensação e deixá-lo mais confortável.

A forma como a cirurgia será realizada vai depender muito das condições do dente do siso, e o seu dentista saberá avaliar corretamente a melhor forma de extração.

A recuperação, em geral, acontece em alguns dias, e existem alguns cuidados pós-operatórios que você deve tomar, como:

  • Dieta líquida nos três primeiros dias.
  • Tomar as medicações indicadas de forma correta.
  • Evitar bochechos nas primeiras 24 horas.
  • Não fumar pelos próximos sete dias.
  • Proceder a uma escovação suave.

Naturalmente, também, fazer o acompanhamento correto indicado pelo dentista.

Então, agora você já está mais tranquilo em relação ao dente do siso? Que tal compartilhar essas informações com os seus amigos, nas suas redes sociais?

The following two tabs change content below.

Drª Talitha

A Drª Talitha de Cássia Silva Sousa tem 7 anos de atuação na área de odontologia e mais 9 anos de dedicação a área de prótese e reabilitação. Graduou-se em 2011 pela Faculdade de Odontologia de São José dos Campos — UNESP. Em 2014 tornou-se Mestre em Odontologia Restauradora, Especialidade de Prótese Dentária por meio do Programa de Pós-graduação do Instituto de Ciência e Tecnologia campus de São José dos Campos. Desde 2017 cursa Especialização em Ortodontia por meio da Instituição Ortogeo em São José dos Campos, unidade de ensino FACSETE — Faculdade de Tecnologia de Sete Lagoas.
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-