Você sabe o que é gengivectomia e para que ela serve?

9 minutos para ler

Cada vez mais as pessoas têm buscado pelo sorriso perfeito. Para isso, elas têm se comprometido com os tratamentos odontológicos terapêuticos, mas também procuram procedimentos estéticos. Assim, técnicas como a gengivectomia têm se tornado populares.

Apesar do nome que não causa uma boa primeira impressão, na verdade esse procedimento é bem simples. Tanto que muitas pessoas já passaram por ele — incluindo famosas como a cantora Wanessa Camargo e a atriz Glória Pires.

Para muitos, esse tratamento pode ser a solução para ter um sorriso mais bonito e harmonioso. Afinal, a técnica ajuda a valorizar os dentes, conferindo mais harmonia e simetria deles com as gengivas. Quer saber se é o seu caso? Então, continue lendo!

Afinal, o que é gengivectomia?

A gengivectomia é um tipo de plástica gengival, um procedimento em que é corrigida a proporção entre dentes e gengiva. Ela é a melhor opção para quem tem o problema de mostrar a gengiva exageradamente ao sorrir, o chamado “sorriso gengival”.

Essa característica pode afetar a qualidade de vida das pessoas, que não conseguem sorrir com tranquilidade. No entanto, o benefício não é apenas estético, já que a gengivectomia também pode prevenir problemas com a saúde da gengiva e com a manutenção dos dentes.

Qual é a diferença entre a gengivoplastia e a gengivectomia?

Essas duas técnicas são plásticas gengivais, por isso é bastante comum que elas sejam confundidas. No entanto, trata-se de procedimentos diferentes que, inclusive, tem indicações distintas.

Enquanto a gengivoplastia reconstrói e remove a área da gengiva que fica ao redor do dente, a gengivectomia precisa ser feita quando somente esse procedimento não é suficiente.

Nesse caso, a cirurgia ocorre em toda a estrutura periodontal — que inclui, além da gengiva, os ossos e os ligamentos periodontais.

O que causa o sorriso gengival?

Os motivos para que ocorra o sorriso gengival são vários. Geralmente, ele é o resultado de uma combinação de fatores, como quando os dentes nascem e ficam presos embaixo da gengiva, o tônus da musculatura labial é deficiente e o freio labial é intenso.

Outro fator que pode causar o excesso de tecido gengival é o uso do aparelho ortodôntico por um longo período. Isso porque o tratamento prolongado pode fazer com que a gengiva cresça de forma exagerada.

Como saber se é preciso fazer a gengivectomia?

A função da gengiva é, principalmente, proteger a raiz dos dentes, por isso, ela recobre uma pequena porção deles, evitando que as partes mais sensíveis fiquem expostas. Entretanto, em algumas pessoas há uma cobertura excessiva da dentição. Esse é um dos motivos para precisar da gengivectomia.

Somente um dentista pode dizer, com certeza, se uma pessoa é ou não candidata para realização desse procedimento. Porém, você pode fazer uma pré-avaliação verificando a exposição da gengiva quando sorri. Se ela ficar em muita evidência, destacando-se e prejudicando a estética, então é interessante procurar um especialista.

Quais são os cuidados pré-operatórios?

Antes da cirurgia, são realizadas algumas análises diagnósticas, que têm o objetivo de verificar se há mesmo a necessidade da realização do procedimento. Também é preciso verificar se existem tratamentos que devem ser concluídos antes, como de cárie, gengivite ou controle do diabetes.

Constatada a necessidade do procedimento e a possibilidade de realizá-lo sem problemas, o cirurgião-dentista poderá receitar medicamentos, como anti-inflamatórios e antibióticos, para preparar o organismo para se recuperar sem complicações.

Também é importante manter a placa bacteriana sob controle e evitar o cigarro, porque ele prejudica a cicatrização dos tecidos. Não é necessário um grande preparo no dia, já que o procedimento, como dito é bastante simples.

No caso de pacientes que fazem uso de medicações, cada caso deve ser tratado em sua particularidade. A gengivectomia é feita em ambiente ambulatorial com anestesia local, por isso, não é necessário jejum nem internação.

Como é feito o procedimento?

Para iniciar o procedimento, é feita a assepsia, aplicação de anestesia e uma sondagem periodontal, que medirá a quantidade de tecido que será retirado.

A remoção da gengiva é feita com o bisturi convencional ou elétrico. A cirurgia pode levar de 30 minutos a 2 horas. O tempo de duração é relativo, de acordo com a quantidade de dentes que passarão pelo processo e a gravidade do problema.

Em casos complicados, podem ser feitas remodelações dos ossos que ficam ao redor do dente e suturas que podem aumentar o tempo de recuperação — mas ainda assim a internação não é necessária.

Quais são os cuidados pós-operatórios?

Para que a recuperação seja bem-sucedida, assim como em qualquer procedimento cirúrgico, é preciso ter alguns cuidados no pós-operatório. No entanto, não se esqueça de que cada pessoa se recupera de um jeito.

Geralmente as primeiras 48 horas são as mais difíceis, pois a região estará sensível. Durante esse período é preciso evitar esforços intensos, como falar muito.

Alimentação

Fazer compressa com gelo, tomar bastante sorvete e ingerir alimentos gelados são atitudes que podem amenizar os incômodos. Anti-inflamatórios também podem ser prescritos pelo médico, caso seja necessário.

Além disso, é preciso evitar alimentos ácidos, condimentados e tudo o que possa causar irritação, incluindo os alimentos duros e fibrosos, como grãos e cereais.

Também é importante optar por aqueles que sejam de fácil mastigação, como cremes, purês, sopas, vitaminas e gelatinas. Bebidas alcoólicas e exposição solar devem ser evitadas entre 3 a 7 dias após o procedimento.

Higiene bucal

A higiene bucal deverá ser intensificada para evitar bactérias, e a limpeza da região em que a cirurgia foi realizada deve ser feita com um cotonete embebido em antisséptico bucal, de 4 a 5 vezes por dia, ou conforme orientação do dentista.

Áreas que estiverem saturadas não devem ser escovadas ou manipuladas até a recomendação do profissional. Os outros dentes podem ser escovados normalmente. Apenas evite bochechos intensos para não ferir o local operado.

A rotina normal é liberada após cerca de 72 horas, mas isso dependerá muito de cada caso específico. Em cerca de 10 a 20 dias depois já será possível perceber o resultado, com um sorriso mais harmônico e sem as gengivas recobrindo os dentes. A cicatrização completa leva, em média, 30 dias.

Como evitar o nervosismo antes da gengivectomia?

A gengivectomia não é um procedimento incômodo nem doloroso, uma vez que o paciente receberá anestesia local. No caso de pessoas muito inseguras ou ansiosas, é válido conversar com o dentista sobre a possibilidade de uma sedação consciente, por exemplo, que alivia o estresse e nervosismo.

Apesar de ser um procedimento simples, é bastante comum o paciente ficar nervoso antes da gengivectomia. Para aliviar esse nervosismo, é importante conversar com o dentista, esclarecer todas as suas dúvidas e explicar essa ansiedade, para que juntos possam encontrar alternativas que minimizem a insegurança.

Além disso, procure agendar o procedimento para uma data mais tranquila, como uma véspera de final de semana, feriado ou folga do trabalho. Também prefira resolver todos os problemas ou pendências antes, para que esteja com a mente tranquila na hora da cirurgia.

Ouvir música também é uma boa alternativa para relaxar. Converse com o dentista sobre a possibilidade de colocar um som ambiente, ou se você pode usar o seu próprio aparelho com fones de ouvido durante o procedimento.

Existem fatores que podem influenciar no sucesso da cirurgia?

Sim, pois as gengivas não são todas iguais. Para começar, elas podem ser mais espessas ou mais finas. Gengivas finas são menos favoráveis a um prognóstico quando comparadas às gengivas espessas.

Arcadas cujos dentes são desalinhados podem ser mais complicadas para realizar esse tipo de procedimento. Pessoas com diabetes não controlada têm uma cicatrização menor, o que pode causar problemas no pós-operatório. Por isso, é essencial verificar e tratar a condição quando necessário.

Fumantes também podem ter uma cicatrização mais lenta em função da nicotina, que age nos tecidos gengivais e diminui a vascularização e o trânsito das células, podendo resultar em problemas como inflamações e invasão de bactérias.

Nesse caso, o uso da nicotina é restringido em um período de 6 semanas antes e 2 semanas após a realização do procedimento.

Quais são os benefícios da gengivectomia para a saúde bucal?

O sorriso gengival é um problema estético, ou seja, ele não traz prejuízos diretos para a saúde bucal. Entretanto, ainda assim a gengivectomia ajuda a deixar a boca mais saudável.

Isso acontece porque a remoção do excesso de gengiva facilita a higienização dos dentes. Então, a escovação se torna mais eficaz, eliminando o acúmulo de placa bacteriana e prevenindo inflamações como a gengivite.

Além da gengivoplastia e da gengivectomia, existem outras plásticas gengivais, como:

  • o enxerto gengival para o recobrimento de retrações;
  • o reposicionamento da margem gengival sem enxerto;
  • e o enxerto gengival de PRF (um tipo de membrana).

Para verificar qual é a melhor alternativa em seu caso, o profissional avalia uma série de características e realiza o acompanhamento constante após os procedimentos.

Sendo assim, é importante escolher a melhor clínica e profissional para fazer a gengivectomia. Afinal é preciso estudar com cautela as suas necessidades a fim de garantir o resultado esperado e todo o cuidado necessário para manter a saúde dos seus dentes e gengivas

Como você viu, a gengivectomia não é uma cirurgia invasiva ou perigosa, mas sim um procedimento simples que pode, em pouco tempo, aumentar a sua autoestima e permitir sorrir com mais espontaneidade. Exibindo uma dentição simétrica e harmônica.

Gostou desse conteúdo? Então, acompanhe as nossas postagens nas redes sociais e confira temas interessantes como esse! Estamos no Facebook, Twitter e Instagram.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-