Gengiva inchada: conheça as causas desse inchaço

gengiva inchada
10 minutos para ler

 

Uma gengiva inchada pode representar mais perigos do que você imagina, uma vez que o tecido epitelial que recobre as mandíbulas tem diversas funções na saúde bucal, como a fixação dos dentes, sua proteção e nutrição.

Além disso, as gengivas têm finalidades estéticas e fonéticas, sendo importantes na sibilação (emissão do som das letras consoantes) e, claro, na harmonia de seu sorriso.

Por isso, qualquer sinal de dor ou inchaço na região deve servir de alerta, sendo essencial identificar as causas desse problema para realizar o tratamento adequado e evitar futuras complicações.

Se você quer saber mais sobre essa condição, quais doenças podem estar associadas a ela e como eliminar esse mal, continue a leitura do artigo!

O que é a gengiva inchada?

Quando se pensa em vermelhidão ou inchaço das gengivas é quase automático associá-los à gengivite. A inflamação do tecido é realmente comum, mas é apenas uma entre diversas outras possíveis causas do problema.

Além disso, a própria gengivite pode ser provocada por razões muito diversas, desde a displicência com a higiene bucal até as alterações hormonais. Gengivas inchadas podem ser reflexo de desnutrição, mau uso de aparelhos odontológicos e até diabetes.

Essa condição normalmente vem acompanhada de dor aguda e constante, que pode causar desconforto e, até mesmo, dificuldades para falar e mastigar.

O inchaço costuma surgir inicialmente perto de onde se encontram os dentes, podendo, inclusive, recobri-los nos casos mais graves. Muitas vezes, ocorre sangramento na região, principalmente após o atrito físico, causados pela escovação ou o uso de fio dental.

Dessa forma, o tecido assume uma coloração avermelhada, substituindo o tom rosado natural. Além de incômoda, a condição indica desde problemas simples, até doenças mais sérias. Por isso, é fundamental buscar ajuda de um dentista aos primeiros sinais.

Assim, será possível descobrir as causas por trás do sintoma, se há outras enfermidades associadas e promover o melhor tratamento possível para restabelecer o conforto do paciente e evitar maiores complicações.

Que tipos de doenças podem estar associadas a esse mal?

Como já foi dito, a gengiva inchada é, normalmente, apenas um sinal de alerta para outros tipos de condições que afetam a saúde bucal, indicado que um processo inflamatório está em curso.

Sendo assim, é preciso realizar um autoexame para verificar o estado do tecido e marcar uma consulta odontológica o mais rápido o possível.

Mesmo que o agente causador desse mal não seja grave, essa atitude impede que a situação se agrave. Para entender ainda mais sobre a importância de procurar o auxílio de um profissional, confira as principais doenças que estão relacionadas a essa condição.

Gengivite

A gengivite é uma inflamação causada pela ação de bactérias que acontece quando ocorre o acúmulo desses micro-organismos na região, formando uma placa incolor e viscosa na mucosa. Esses agentes produzem toxinas que irritam o tecido e causam o problema.

Além de dor e inchaço, os sintomas incluem sangramentos, mau hálito e retração gengival — que é o recuo da estrutura, conferindo uma aparência mais alongada aos dentes e aumentando sua exposição.

Periodontite

A periodontite afeta a estrutura óssea da boca, podendo, nos casos mais graves, levar à perda dentária. Os sintomas são semelhantes aos da gengivite e sua principal causa está associada ao acúmulo de tártaro.

Essa doença pode gerar diversas complicações, afetando não somente a estrutura, como podendo ocasionar problemas na mastigação e consequentes complicações estomacais.

Quais são as principais causas desse problema?

Podem existir diversas origens para a gengiva inchada, desde a ineficiência da higiene bucal até mesmo alterações hormonais. Saber quais são esses motivos ajuda na prevenção dessa condição e também a evitar a piora do quadro. Confira as causas mais comuns!

Carência de vitamina C

Gengivas doloridas, inchadas e sangramentos podem indicar que seu consumo de vitamina C está insuficiente. O escorbuto é provocado pela falta da vitamina, uma das mais importantes para a saúde bucal, que é encontrada em várias frutas — como acerola, morango e limão.

Em alguns casos, pode-se haver recomendação médica para o uso de suplementos vitamínicos. Na maioria das vezes, porém, uma dieta rica é a melhor solução.

Fumo

O tabaco aumenta muito a propensão a doenças na gengiva, uma vez que a ação física e química do cigarro — ou seja, tanto causada pelas substâncias nele contidas, quanto pelo calor da fumaça — pode provocar ou acelerar processos inflamatórios na gengiva, assim como inchaço e sangramento.

O melhor a fazer é abandonar o vício, que também está diretamente relacionado a manchas nos dentes e a outras condições mais graves como o câncer. Assim, ao deixar esse hábito, sua saúde, como um todo, agradecerá.

Diabetes

Não apenas pessoas com diabetes têm mais tendência a ter doenças na gengiva, como também a própria gengivite pode dificultar o controle do índice glicêmico.

Em primeiro lugar, porque o nível de glicose no sangue pode contribuir para o desenvolvimento de bactérias que provocam o inchaço na região. Qualquer inflamação ou infecção no tecido, por sua vez, interfere no nível glicêmico, o que significa que os diabéticos devem redobrar a atenção quanto à sua saúde bucal.

Alterações hormonais

Algumas alterações hormonais podem interferir no fluxo de sangue para as gengivas, provocando o inchaço. Além das fases em que o organismo passa por mudanças na liberação de hormônios — como a puberdade, a gravidez ou a menopausa — o controle hormonal e o uso de anticoncepcionais também pode afetar a região.

Uso de medicamentos

Diversos medicamentos podem ter efeitos colaterais que prejudicam sua saúde bucal. Antialérgicos, antidepressivos e alguns analgésicos comumente causam o ressecamento da boca, contribuindo também para a inflamação e a gengiva inchada.

Ainda mais graves podem ser as consequências do uso de antiepiléticos e drogas para controle da pressão sanguínea, que enfraquecem diretamente esse tipo de tecido. Claro, como o uso de tais remédios só é feito quando é imprescindível, é importante consultar os médicos e dentistas sobre alternativas menos agressivas.

Má higiene bucal

O acúmulo de placa bacteriana pode causar gengivite e, por isso, além de uma higienização correta, a escolha da escova é importante, sendo recomendado as mais macias, que promovem desgaste físico menos intenso na região.

Ainda, o uso de fio dental após as refeições é imprescindível, já que ele é capaz de retirar restos de alimentos em áreas que apenas a escovação não consegue chegar. Por último, os enxaguantes bucais também podem ser bons aliados para uma boa limpeza.

Atualmente, existem até mesmo aplicativos que ajudam a manter uma boa higiene bucal, inclusive para as crianças, os alvos favoritos da temida cárie e de outras complicações para a saúde bucal.

 

 

Aparelhos dentais

Uma das reclamações mais comuns entre quem utiliza aparelhos odontológicos, principalmente os fixos, é a gengiva inchada. Além de prejudicar a boa higienização da boca, a má colocação do aparelho também pode ocasionar irritação nesse tecido.

Essa condição, acompanhada pela gengivite e eventuais sangramentos, pode aumentar muito o desconforto provocado por esse tratamento, mas alguns cuidados podem evitar que isso aconteça.

Como evitar que os aparelhos afetem a gengiva?

Não é preciso dizer para ninguém que use aparelhos dentais como eles podem ser incômodos. Além de machucarem em algumas situações, provocam dores e grande desconforto para o usuário. Por isso, eles só são indicados quando fundamentais para sua saúde — já até falamos aqui sobre os riscos causados pelo uso de aparelhos falsos.

Especificamente sobre a gengiva, a adoção desse tratamento exige cuidados especiais.

Além de acumularem restos de alimentos, eles também dificultam a higienização da boca, contribuindo muito para o desenvolvimento da placa bacteriana — tanto nos dentes como entre eles e a gengiva — causando, como consequência, gengiva inchada, inflamada e possíveis sangramentos.

Sendo assim, para evitar que os aparelhos dentários provoquem complicações, alguns cuidados simples podem ser tomados, veja quais são.

  • Respeite os horários das refeições: comer apenas nos horários determinados ajuda a manter a higiene bucal;

  • tenha paciência ao escovar os dentes: o aparelho dificulta a escovação, então é preciso ter calma e muito cuidado para alcançar todos os dentes;

  • use recursos especiais para esse fim, como escovas ortodônticas, fios condutores para o uso do fio dental e, até mesmo, dispositivos que jogam jatos de água nos dentes podem ajudar para uma maior limpeza.

Aparelhos móveis também precisam de cuidados

Não são apenas aparelhos fixos que oferecem riscos à sua saúde bucal e às suas gengivas. Os de tipo removível também precisam ser higienizados com muita cautela, evitando que se tornem um ambiente propício ao desenvolvimento de bactérias.

Existem no mercado produtos específicos para a limpeza de aparelhos e próteses dentárias. Normalmente são pastilhas efervescentes, dissolvidas em água, em que se deve colocar o dispositivo de molho por cerca de uma hora (consulte as instruções específicas de cada produto).

O que vale ser destacado é que tais produtos não são suficientes: além de passar por esse processo, os aparelhos precisam ser escovados e enxaguados antes de irem à boca.

Como eliminar esse problema?

No caso da gengiva inchada, vale o clássico ditado: é melhor prevenir do que remediar. Por isso, algumas simples ações podem ajudar a evitar o surgimento desse mal, como:

  • escovar bem os dentes após todas as refeições e fazer o uso de dispositivos complementares para a correta higienização da boca;

  • manter uma alimentação balanceada e rica em vitamina C;

  • parar de fumar e fazer o acompanhamento médico nos casos de doenças como o diabetes e no uso de medicamentos que podem prejudicar a saúde bucal.

Uma vez instalado o problema, não tem jeito: o melhor a se fazer é buscar ajuda de um dentista para resolver o quanto antes a situação e evitar complicações.

Por isso, além de todas as dicas que apresentamos, vale lembrar que o acompanhamento médico e odontológico é insubstituível. Procure seu dentista pelo menos uma vez por semestre ou em caso de qualquer suspeita. E atenção especial para as crianças, que têm grande tendência a desenvolver doenças bucais bacterianas.

A gengiva inchada além de incômoda, pode ser um sinal de que algo não vai bem em seu corpo. Se você quer avaliar sua saúde bucal e se certificar que tudo anda bem, entre em contato conosco.

 

The following two tabs change content below.

Drª Talitha

A Drª Talitha de Cássia Silva Sousa tem 7 anos de atuação na área de odontologia e mais 9 anos de dedicação a área de prótese e reabilitação. Graduou-se em 2011 pela Faculdade de Odontologia de São José dos Campos — UNESP. Em 2014 tornou-se Mestre em Odontologia Restauradora, Especialidade de Prótese Dentária por meio do Programa de Pós-graduação do Instituto de Ciência e Tecnologia campus de São José dos Campos. Desde 2017 cursa Especialização em Ortodontia por meio da Instituição Ortogeo em São José dos Campos, unidade de ensino FACSETE — Faculdade de Tecnologia de Sete Lagoas.
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-