Quando se deve fazer enxerto ósseo em implantes dentários?

3 minutos para ler

Perder um dente pode trazer não só prejuízos para funções importantes, como a mastigação, mas também significar uma queda na autoestima. Nesses casos, o implante dentário é uma solução.

No entanto, para que o procedimento seja bem-sucedido, um enxerto ósseo pode ser necessário. O método é simples e muito comum, além de fundamental para obter um bom resultado em longo prazo.

Interessado no assunto? Continue a leitura e saiba mais sobre o enxerto ósseo!

Quando é preciso adotar essa técnica?

O enxerto ósseo é indicado para pacientes que desejam fazer um implante, mas não têm estrutura óssea adequada para recebê-lo. É um procedimento cirúrgico que consiste em retirar um fragmento de osso saudável para reconstruir uma área afetada.

Os ossos funcionam como sustentação. Quando perdemos um dente ou demoramos para fazer a extração, a sustentação óssea pode sofrer perda de altura e espessura. Nesses casos, o enxerto é importante para que o implante se mantenha estável e traga mais conforto e resultados naturais.

Quais os tipos de enxerto ósseo?

Existem algumas formas de realizar esse procedimento. O enxerto pode ser retirado de uma parte do corpo do próprio paciente ou utilizar materiais sintéticos que cumprem o mesmo papel.

Autógenos

Nesses casos, são utilizados fragmentos de ossos do paciente. Em situações que exigem uma reconstrução menor, a retirada pode ser feita da mandíbula, em processos cirúrgicos simples que acontecem no próprio consultório. Para reposições maiores, são utilizados ossos da bacia ou de outras partes do corpo, o que exige que a cirurgia seja realizada no hospital. Esse tipo de enxerto apresenta menor taxa de rejeição.

Alógenos

São feitos a partir de um doador, com origem de um banco de ossos humanos. A cirurgia exige procedimentos prévios, como a realização de testes que garantem que o doador não apresentava nenhuma doença contagiosa. As taxas de rejeição são maiores. 

Xenógenos

É o enxerto a partir de ossos de origem bovina ou suína, que apresentam estrutura parecida com a do osso humano. A taxa de rejeição também é maior.

Sintéticos

Nesse caso, são utilizados enxertos com materiais biocompatíveis produzidos em laboratórios. O enxerto sintético apresenta taxas de rejeição baixíssimas. 

Mistos

Ainda é possível realizar o procedimento utilizando dois enxertos diferentes, normalmente uma mistura do autógeno com outro tipo, a depender da área a ser reconstruída.

Quais são os cuidados no pós-operatório?

Como em todos os procedimentos cirúrgicos, o enxerto ósseo exige cuidados durante a recuperação. Além de utilizar as medicações prescritas pelo dentista, é recomendado:

  • repousar;
  • usar compressas geladas;
  • consumir alimentos frios e pastosos nos primeiros dias;
  • fazer uma higienização bucal adequada.

Como saber se é o seu caso?

A cirurgia de implante com enxerto ósseo é simples e não apresenta grandes riscos à saúde do paciente. No entanto, como em todos os tratamentos odontológicos, é necessário realizar uma consulta prévia com profissionais especializados.

Se você deseja fazer um implante, busque a orientação de um implantodontista, que vai indicar os procedimentos necessários para chegar ao resultado esperado: um sorriso bonito e saudável!

Quer saber mais sobre a sua saúde bucal? Acompanhe nossas publicações nas redes sociais. Estamos no Facebook, no Instagram e no YouTube.

The following two tabs change content below.
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-