É verdade que a TPM causa mau hálito?

4 minutos para ler

Dor de cabeça, inchaço e irritação. Todos eles são sintomas da terrível tensão pré-menstrual, a TPM. Mas você sabia que além deles, as mulheres também podem apresentar mau hálito?

A fase é marcada por grandes alterações hormonais que podem levar a inúmeros sintomas e também influenciar a sua saúde bucal. Se você quer compreender melhor esse problema e dar um basta no mau hálito causado pela TPM, continue a leitura!

TPM e mau hálito: entenda essa relação

A TPM é conhecida por inúmeras alterações hormonais que, entre outras coisas, modificam o equilíbrio hídrico do corpo das mulheres, diminuindo a quantidade de água e transferindo-a para determinados pontos, o que leva ao inchaço e ao surgimento de edemas.

Mas não é só isso. Essa alteração no balanço hídrico também pode causar o que chamamos de hipossalivação, que é a diminuição da produção de saliva. Como consequência há o aumento da saburra lingual – uma camada esbranquiçada localizada no fundo da língua.

A saburra contém bactérias que fazem a metabolização dos restos alimentares e das proteínas das células. Nesse processo, há a liberação de enxofre, o responsável pelo mau cheiro na boca.

Além disso, a TPM pode causar o aumento da descamação do epitélio bucal, o que também pode levar a uma produção acentuada da saburra, intensificando o processo que descrevemos acima.

A TPM e a alimentação

Outro ponto chave da relação entre a TPM e o mau hálito está na alimentação. Nesse período, muitas mulheres sofrem com a diminuição da produção da oxitocina e da endorfina, que são hormônios ligados ao bem-estar, por isso é comum nos sentirmos meio “para baixo”, desanimadas, com crises de choro e outros sintomas emocionais.

Uma maneira de compensar essa baixa de hormônios é aumentando o consumo de doces, principalmente o chocolate, responsável pela liberação de endorfina e levando a um balanço hormonal.

O problema é que o excesso de doces pode levar a uma produção acentuada de placas bacterianas que, quando não retiradas corretamente através da escovação, podem gerar problemas como as cáries e as gengivites, que podem ter como sintomas o mau hálito.

Como resolver esse problema?

Depois de toda essa explicação, você deve estar se perguntando: “E agora? Será que terei de sofrer com o mau hálito para sempre?”. Embora essas sejam alterações comuns em muitas mulheres, a TPM é algo que pode ser tratado e trazer uma qualidade de vida muito melhor.

Se você sofre com esses sintomas todos os meses, converse com o seu ginecologista. O tratamento para a TPM costuma aliviar todos os problemas relacionados ao período, inclusive diminuindo o mau hálito.

Além disso, existem outras dicas que podem ajudar, como:

  1.  Aumentar a ingestão de água para cerca de 3 litros diários;

  2. Consumir mais alimentos fibrosos, que ajudam a diminuir a produção de placa bacteriana;

  3. Comer de 3 em 3 horas, pois a mastigação frequente ajuda a aumentar a salivação;

  4. Manter em dia a escovação e os cuidados com a saúde bucal, priorizando a escovação da língua, principalmente na parte superior, na qual existe maior propensão à formação da saburra;
  5. Fazer exercícios físicos regularmente, que também ajudam a aumentar a produção de serotonina e diminuir a vontade de comer doces nesse período;

  6. Diminuir o estresse.

Gostou de saber mais sobre a relação entre a TPM e mau hálito? Baixe agora mesmo o nosso E-book e descubra como uma alimentação saudável pode interferir na sua saúde bucal, inclusive com dicas bem bacanas que podem ser usadas nesse período. 

The following two tabs change content below.

Drª Talitha

A Drª Talitha de Cássia Silva Sousa tem 7 anos de atuação na área de odontologia e mais 9 anos de dedicação a área de prótese e reabilitação. Graduou-se em 2011 pela Faculdade de Odontologia de São José dos Campos — UNESP. Em 2014 tornou-se Mestre em Odontologia Restauradora, Especialidade de Prótese Dentária por meio do Programa de Pós-graduação do Instituto de Ciência e Tecnologia campus de São José dos Campos. Desde 2017 cursa Especialização em Ortodontia por meio da Instituição Ortogeo em São José dos Campos, unidade de ensino FACSETE — Faculdade de Tecnologia de Sete Lagoas.
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-