Saiba o que são abscessos dentários e como tratá-los

8 minutos para ler

Sabia que nem todos os problemas bucais ficam evidentes em nosso sorriso? Isso acontece porque alguns atingem estruturas e tecidos mais profundos, como acontece no caso dos abscessos dentários, que se formam na região do periodonto.

São um tipo de infecção que, como a maioria dos problemas bucais, têm como principal causa a proliferação de bactérias. Eles precisam ser tratados, uma vez que podem provocar sérios prejuízos, como a perda do dente.

Preparamos este artigo para explicar com mais detalhes o que são os abscessos dentários, o que causa esse tipo de problema, como fazer a sua prevenção, as opções de tratamento e os riscos de não procurar a ajuda de um dentista. Continue lendo e fique por dentro do assunto!

O que são abscessos dentários?

A recomendação para escovarmos bem os dentes não visa apenas a boa aparência. Os cuidados que temos com a dentição promovem o equilíbrio da saúde de toda a boca, incluindo os tecidos que formam o periodonto. Afinal, não são apenas os dentes que podem desenvolver problemas.

As gengivas e os tecidos que sustentam a dentição também podem ser afetados por doenças bucais, e os abscessos dentários são um bom exemplo disso. Eles são um acúmulo de pus decorrente da proliferação de bactérias na cavidade bucal.

Os abscessos formam uma bolsa sensível e dolorida que provoca um aumento de volume da região. Existem dois tipos diferentes de abscessos dentários:

  • abscesso periodontal: a bolsa de pus se forma entre a região da gengiva e o dente, ou seja, nos tecidos periodontais;
  • abscesso periapical: a bolsa de pus se forma na região da raiz do dente.

Em ambos os casos, os abscessos dentários representam um problema bastante incômodo, uma vez que o pus se acumula por causa da infecção que se instalou na cavidade bucal.

Quais são as causas dos abscessos dentários?

Os abscessos dentários podem se formar em função de diferentes fatores. A seguir, apresentamos as causas mais comuns dessas infecções. 

Cáries profundas

A cárie se forma quando há o acúmulo de placa bacteriana. Os microrganismos presentes nela se alimentam dos resíduos de comida, e os ácidos liberados causam a desmineralização e erosão do esmalte dentário.

Algumas cáries atingem grandes proporções ou provocam infiltrações na polpa dentária. Quando isso acontece, as bactérias penetram os tecidos internos do dente e podem migrar para sua raiz, formando um abscesso.

Resíduos de comida

Conforme explicamos, o abscesso dentário acumula pus por causa da presença de bactérias nocivas. Por isso, resíduos de comida também podem ser responsáveis pela sua formação.

É o que acontece, por exemplo, quando uma casquinha de pipoca, amendoim ou de qualquer outro alimento fica retida entre o dente e a gengiva. Esse resíduo favorece a instalação de bactérias e, consequentemente, forma o abscesso.

Fraturas e trincas

Você se lembra que dissemos que uma cárie pode provocar infiltração no dente? Isso também acontece quando ele sofre uma fratura, fissura ou quando uma restauração está com problemas. Em todos esses casos, resíduos de comida e bactérias conseguem penetrar no dente. Com isso, a infecção se manifesta.

Como os abscessos dentários são tratados?

Os abscessos dentários precisam ser tratados, já que são um tipo de infecção, além de causarem sintomas incômodos, afetando as funções bucais e a qualidade de vida da pessoa. Mas eles também são uma ameaça para a saúde bucal e orgânica. A infecção, quando não tratada, pode evoluir e atingir outros dentes e regiões da boca.

Em casos ainda mais severos, as bactérias migram para a corrente sanguínea e provocam infecções em outras regiões do corpo. Além disso, outra consequência dos abscessos é a perda do dente.

Seu tratamento é realizado com uma medida básica e ações complementares, conforme a necessidade da pessoa.

Procedimentos básicos

Os procedimentos básicos para tratar os abscessos dentários consistem em fazer uma pequena incisão onde está a bolsa para drenar o pus que se formou. Em seguida, é feita a higienização do local para garantir a eliminação de qualquer resíduo e bactérias.

Procedimentos específicos

Os procedimentos específicos são adotados de acordo com a necessidade do paciente, com base na gravidade da infecção e nas suas causas. São realizados procedimentos como tratamento de canal, raspagem periodontal e a administração de antibióticos, quando a infecção está mais extensa.

Em alguns casos, é realizada a extração do dente. Quando, por exemplo, não é possível fazer o tratamento de canal, quando a cárie está muito profunda ou quando ocorreu a quebra muito severa do dente, e não há como fazer sua restauração.

Como prevenir os abscessos dentários?

Uma vez que existe mais de uma causa para os abscessos dentários, também há diferentes formas de fazer a prevenção da infecção. Veja, a seguir, como evitar esse problema bucal.

Higienização adequada

Como a proliferação de bactérias é a principal causa da maioria dos problemas dentários, a higienização adequada é a melhor forma de fazer a prevenção dos abscessos dentários.

É preciso escovar os dentes pelo menos duas vezes por dia, utilizando uma escova com cerdas macias e um creme dental enriquecido com flúor. Não se esqueça de que a escova precisa ser de boa qualidade — também é importante fazer troca a cada três meses para garantir a sua eficiência.

Uso do fio dental

A escova de dentes, sozinha, não consegue realizar a higienização completa da boca. As cerdas não alcançam a região entre os dentes e outros locais mais difíceis de acessar. Por isso, é preciso complementar a escovação com o uso de fio dental.

O fio dental vai retirar aquela casquinha de pipoca que falamos, lembra? Ele evita que a sujeita se mantenha aderida entre a gengiva e o dente, remove a placa bacteriana que se forma nas bordas da gengiva e elimina qualquer resíduo depositado ali.

Atenção na hora de comer

Ao se alimentar, também é interessante ter um pouco de cuidado para evitar agressões aos dentes e a adesão de resíduos muito grandes entre eles e a gengiva. Para garantir a segurança, a recomendação é colocar pequenas porções de alimento na boca.

Essa medida pode parecer de pouca importância, mas favorece a mastigação, porque a boca não fica muito cheia. Com isso, você consegue ter um controle maior dos movimentos mastigatórios.

Visita ao dentista

Todos os cuidados que citamos precisam ser complementados com a visita periódica ao dentista. Ela deve acontecer a cada 6 meses ou conforme recomendação do profissional, para realizar uma profilaxia dentária e fazer uma avaliação completa da dentição.

O suporte do profissional é um cuidado essencial para eliminar resquícios de placa bacteriana que a escova e o fio não retiraram, além de eliminar tártaros entre os dentes e na região subgengival. A ida ao dentista também serve para monitorar as condições do seu esmalte dentário e de restaurações que possam favorecer as infiltrações na polpa.

Proteção dentária

Essa é uma dica destinada, principalmente, para quem pratica exercícios físicos e atividades que ofereçam algum risco de impacto nos dentes. Para essas pessoas, é essencial usar uma proteção personalizada.

O protetor bucal envolve os dentes e forma uma espécie de amortecimento ao redor deles. Desse modo, possíveis impactos sofridos na boca ou mesmo o próprio esforço de apertamento involuntário das arcadas será evitado. Consequentemente, fraturas e trincas que poderiam causar infiltrações deixam de ser riscos.

É verdade que os abscessos dentários podem causar prejuízos para a saúde bucal, mas a prevenção deles é muito simples. Como vimos, você só precisa ter atenção com sua higiene bucal, proteger os dentes sempre que necessário e comparecer às consultas periódicas ao dentista, para complementar as ações preventivas e manter sua boca sempre saudável!

Continue aprendendo como cuidar bem do seu sorriso. Confira mais dicas e informações em nosso blog para manter sua boca sempre saudável!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-